Site de notícias vinculado ao Sindicato Rural de Guarapuava

Paran Silos

Segunda-feira, 31 de agosto de 2020

Sais cálcicos de ácidos graxos de palma: um aliado da produção leiteira

Vitor Marcassa de Godoy - Zootecnista e coordenador comercial da Nutricorp

 
 
A pecuária leiteira nacional vem sofrendo diversas flutuações nas margens deixadas ao produtor, refletidas pelo aumento do custo dos principais ingredientes das dietas, como milho e farelo de soja. Segundo dados da Radar-Agro (Itaú-BBA), o produtor de leite do estado de São Paulo precisou de 34 L de leite para comprar uma saca de milho (60 kg), estando 44% acima do mesmo período do ano passado (24 L). Já em relação ao farelo de soja, a alteração foi de 32%, demandando 1.080 L de leite/ton de farelo de soja. Sendo assim, manejos que visem um aumento da produção leiteira e qualidade do produto final devem ser adotados, uma vez que os laticínios remuneram o produtor com base em quantidade e qualidade, levando em conta a produção total de leite e o teor de sólidos do mesmo.
 
Dentre as diversas tecnologias que podem ser tomadas para a maximização da eficiência produtiva e qualitativa do rebanho, destaca-se o uso daquelas relacionadas à nutrição. Mais especificamente, o fornecimento de sais cálcicos de ácidos graxos (SCAG) de óleo de palma (PLM), basicamente compostos por ácidos palmítico (C16:0; 45%) e oleico (C18:1 cis-9; 35%), misturados na dieta de animais pós-parto. A inclusão dos SCAG tem por finalidade aumentar a densidade energética do suplemento/dieta, assim como a substituição parcial dos grãos cereais, reduzindo assim o risco de distúrbios ruminais, tais como acidose.
 
Estudos recentes feitos por Neto (2020) demonstraram que a suplementação com SCAG de PLM aumentou a produção de leite em 1,53 kg/d, com um aumento de 0,42 kg/d para cada % de aumento de SCAG de PLM na matéria seca (MS) da dieta. Esses valores estão próximos aos valores de 1,55 e 1,29 kg/d reportados por Rabiee et al. (2012) e Onetti & Grummer (2004), respectivamente. Alguns dos mecanismos para explicar essas respostas incluem: (i) aumento da eficiência energética de vacas lactantes pela maior geração de ATP vs. carboidratos e proteína, (ii) partição de nutrientes em direção à produção de leite, (iii) poupança de energia pela diminuição da síntese de novo de AG no leite e (iv) redução do incremento calórico ruminas. 
 
Seguindo essas premissas, de Souza et al. (2017) avaliaram o efeito da inclusão de SCAG de PLM nos parâmetros produtivos de bovinos leiteiros a pasto, onde os tratamentos foram oferecidos entre as semanas 3 e 16 pós-parto, enquanto que o efeito residual após o término da suplementação foi avaliado pelo resto da lactação. Esses autores demonstraram que a suplementação com SCAG de PLM resultou em um aumento na produção de leite (kg/dia) de 15% durante a suplementação lipídica, aumento na produção (kg/dia) de proteína, gordura e lactose (Tabela 1).
 
Além disso, a suplementação com SCAG de PLM entre a 3ª e 16ª semana pós-parto foi efetiva em aumentar a produção de leite mesmo após o período suplementar ter finalizado. Esse potencial efeito pós-suplementação (carryover effect), pode ser importante para determinar o impacto econômico de suplementações estratégicas, pelo fato de que a suplementação lipídica é geralmente mais onerosa financeiramente quando comparado aos outros ingredientes do suplemento e/ou dieta total (de Souza et al., 2017). De maneira simplista, cada kg extra de leite secretado no pico de produção resulta em aproximadamente 200 kg de leite durante a lactação (Roche et al., 2013), sugerindo que estratégias de suplementação durante o início da lactação que aumentem a produção de leite no pico da lactação é efetiva em impactar a produção leiteira, mesmo após o término da suplementação. 
 
 
 

Item

Tratamentos

 

EPM   

Valor de P  

CON    

PLM   

 

Semana 3 a 16 pós-parto 

         

Produção, kg/d

         

 

Leite

 

24,2

29,0

 

0,52

< 0.01

 

Gordura

 

0,86

0,95

 

0,02

< 0.01

 

Proteína

 

0,80

0,89

 

0,02

< 0.01

 

Lactose

 

1,15

1,36

 

0,02

< 0.01

 

Leite corrigido para 3.5% de gordura    

      

24,1

27,9

 

0,49

< 0.01

 

Leite corrigido para energia

 

24,8

28,2

 

0,54

< 0.01

 

Produção acumulada, kg

 

2.160

2.565

 

44,2

< 0.01

 

Eficiência de produção

 

1,39

1,57

 

0,03

< 0.01

           

Semana 17 a 42 pós-parto

         

Produção, kg/d

         

 

Leite

 

18,4

21,0

 

0,44

< 0.01

 

Gordura

 

0,77

0,95

 

0,03

< 0.01

 

Proteína

 

0,68

0,75

 

0,03

< 0.01

 

Lactose

 

0,81

0,92

 

0,04

< 0.01

 

Leite corrigido para 3.5% de gordura

 

20,5

23,4

 

0,48

< 0.01

 

Leite corrigido para energia

 

20,9

23,7

 

0,47

< 0.01

 

Produção acumulada, kg

 

3.349

3.822

 

55,7

< 0.01

 
 
Em um estudo subsequente, Batistel et al. (2017) avaliaram uma possível interação entre a suplementação com SCAG de PLM e processamento do milho (moído fino [FIN] ou floculado [FLC]) obtido e cultivado no Brasil. De maneira geral, a suplementação com SCAG de PLM, independentemente do processamento do milho, resultou em aumentos na produção de leite (+ 3,3 kg/dia), gordura (+ 0,11 kg/dia), proteína (+ 0,09 kg/dia), leite corrigido para gordura (+ 3,2 kg/dia), produção acumulada (+ 264 kg) e a eficiência de produção (+ 0,13 kg). Além disso, animais recebendo SCAG de PLM e milho FIN apresentaram maiores resultados produtivos, demonstrando que a magnitude dos benefícios nos parâmetros produtivos é maior em matrizes energéticas menos processadas.
 
Dessa forma concluímos que a utilização de SCAG de PLM para vacas lactantes consiste em uma melhoria produtiva e qualitativa do produto final, reduzindo custos e afetando positivamente as margens deixadas ao produtor, interagindo positivamente com ingredientes já comumente utilizados nas dietas sendo elas a pasto ou dietas completas.
 
 
 
 
 
Sobre a Nutricorp
 
A Nutricorp, empresa referência em qualidade e inovação no agronegócio, é especialista em soluções criativas em nutrição e bem-estar de bovinos de corte e leite, tendo qualidade e segurança incorporadas no seu DNA, sempre visando a satisfação de seus clientes e o cuidado com o meio-ambiente. Com mais de 20 anos de mercado, a marca sempre atuou próxima aos produtores e fábricas, atendendo suas demandas com o máximo de expertise e personalização. Pioneira em transformar coprodutos da agroindústria alimentícia em produtos inovadores e eficazes criando novas soluções com foco em nutrição animal e desempenho produtivo na cadeia de ruminantes. Como principal valor, a companhia preza por suas relações com clientes, fornecedores e colaboradores, entregando e pensando sempre na promoção do melhor e como objetivo, seu desejo é nutrir com inovação as relações na agropecuária, assegurando sabor e saúde, na fazenda e na mesa. http://www.nutricorp.com.br. 
 
 
 
 
Fonte e foto: Nutricorp
 
 
 
 
 
 

Comentários

Todos os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Você pode denunciar algo que viole os termos de uso.


Paran Silos